Patrimônio Culinário, Turismo e Sustentabilidade

O V Congreso Internacional do Observatori de l’Alimentació & Fundació Alícia aconteceu neste mês de junho em Barcelona, com a temática Patrimonios Alimentarios, Turismo y Sostenibilidad.  As apresentações principais e mesas redondas se realizaram na Fundació La Pedrera e as comunicações na Universitat de Barcelona.

O evento pretendeu abordar as relações entre patrimônio alimentar, turismo e sustentabilidade no sentido de investigar e debater qual o futuro dessa relação e de suas potencialidades. 

As mesas redondas tiveram a participação de representantes diversos, normalmente compostas por um representante do poder público, pesquisadores acadêmicos, atores sociais e culturais, além dos setores empresariais.  Nos tópicos sobre patrimônio alimentar me chamou a atenção, particularmente, como o poder público interage e media de forma saudável as ações e atividades em benefício e diálogo com a comunidade (as iniciativas são inúmeras e vou abordá-las em outro post).  

Meus destaques da programação do Congresso:

  • Políticas em favor das culturas alimentares.
  • A gastronomia como oportunidade para o turismo sustentável, o setor primário e a dinamização local.
  • Como desenvolver destinos turísticos sustentáveis baseados no patrimônio alimentar?
  • O que não se vê, não existe? Quem, o que e como se difundem e se comunicam as mensagens de valorização do patrimônio alimentar?
  • Comida de rua, patrimônio e  turismo.

Colocando bastante à parte a questão uníssona de celebração da gastronomia regional como fator de importância no turismo sustentável, as mesas redondas trataram de problematizar algumas questões reais como:

  1. Quais impactos desse tipo de turismo à população local. Ou seja, até que ponto estamos criando um parque temático e não um destino turístico?
  2. Como de fato interagem e se beneficiam os atores locais nessa economia?
  3. Quais são os limites (ambientais, sociais, econômicos) desse tipo de turismo, sobretudo para os moradores locais?

Para terminar, e me inspirando nesse Congresso, duas perguntas que me parecem bastante necessárias também ao contexto do Vale do Paraíba e Serra da Mantiqueira, o qual também vivencio:  mais do que reconhecer e celebrar esse patrimônio alimentar,  para quem estamos fazendo isso? Existe um resgate verdadeiro enquanto não houver justiça social para os que dele se mantém?

 

V Congreso Internacional Observatori de l’Alimentació & Fundació Alícia
Joan Roca (Celler de Can Roca), Dr. Cyrille Laporte (Univ. Toulouse), Pr. Julie Cavignac (UFRN) e mesa redonda sobre Comida de Rua (UNESCO).

Deixe uma resposta